Quinta-feira, 3 de Abril de 2014

Um acto de primeiríssima ordem

Em pouco menos de 100 dias, cerca de 400 milhões de europeus elegerão os 751 deputados do Parlamento Europeu (PE) que validarão a nomeação do próximo Presidente da Comissão Europeia, e a sua equipa de Comissários. Um acto eleitoral da maior importância, especialmente quando tudo aponta para que estas sejam umas eleições disputadíssimas entre os cinco principais partidos europeus (populares, socialistas, liberais, verdes e ‘nova’ esquerda) e as primeiras onde a campanha se organizará em torno de linhas político-ideológicas definidas partidariamente e não só restrita a preocupações de índole nacional. Para tal, contribuiu não só as novas disposições do Tratado de Lisboa (que empodera decididamente o PE) mas essencialmente o posicionamento das principais forças políticas europeias face aos novos tratados, aproveitando os mesmos para se capacitarem politicamente e se apresentarem ao eleitorado europeu de forma organizada, programaticamente consistente e com um candidato próprio ao lugar de Barroso, consagrando o patamar europeu como a natural extensão da política nacional. 

Neste sentido, como em qualquer processo nacional, os principais partidos europeus têm-se concentrado em processos de construção programática e selecção de candidatos. E sabemos já que Guy Verhofstadt, ex-PM belga, será o candidato dos liberais da ALDE; que os Verdes apresentarão o sindicalista francês José Bovée e a activista alemã Ska Keller; e que a ‘nova’ esquerda colocará à consideração o grego Alexis Tsipras. Os populares europeus deverão escolher em Dublin (no início de Março) entre o ex-PM luxemburguês Jean Claude Juncker e o francês Michel Barnier, actual comissário europeu para o Mercado interno e serviços; enquanto os socialistas aprestam-se para confirmar, a 1 de Março em Roma, o actual Presidente do PE, Martin Schultz, como o candidato à sucessão de Barroso. Ou seja, à partida estamos perante um qualificado e experiente leque de candidatos, antevendo-se um conjunto de debates que coloquem em confronto diferentes ideias e projectos para o futuro da União e, espero, suficientemente provocadores ao ponto de injectar conflito político que rompa discursos nacionalistas e permita uma escolha engajada e responsabilizadora aos cidadãos europeus.

À luz destes processos, os primeiros com forte matriz europeia, não se entende então a pressa (e pressão) demonstrada por alguns no que respeita a constituição das listas para o PE, pois apresentá-la sem legitimação do candidato-maior seria como forçar a apresentação de listas em Santarém, por exemplo, sem que candidato a PM existisse, para mais quando estamos perante eleições com elevado potencial programático, e menos personalistas portanto. Mais importante será promover um conjunto de candidatos diversificado, capazes de interagir diferenciadamente no patamar europeu, que alimentar concursos de vaidades de pequena dimensão intra-partidária. É que estas serão eleições de primeiríssima ordem, e tratá-las como tal deveria obrigar a deflectir. 

 

(publicado no Diário Económico de 18 de Fevereiro de 2014)

publicado por politicadevinil às 10:58
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds