Quarta-feira, 15 de Janeiro de 2014

Ser LIVRE

As reacções corporativistas de algumas máquinas partidárias ao anúncio da criação do “LIVRE” atestam bem o incómodo que o novo partido imediatamente criou, nomeadamente em certa esquerda (BE e PCP). E demonstram também o grau de conservadorismo imobilista e enquistamento solidificado que tanto tem danificado a qualidade da nossa democracia, como desfasadas se encontram as estruturas partidárias consolidadas do que hoje se entende por participação política activa e como estas assumem o sistema representativo nacional como uma coutada privada, feudal, de acesso exclusivo a detentores de cartão,  brasão ou avental, sem que possível seja a admissão de mais sócios ou a atribuição de novos títulos.

Para mais, não entendem – ou pretendem não entender - que as características fundadoras de novos projectos políticos, hoje, pouco tem a ver com as que estiveram na génese dos partidos tradicionais, muitos provenientes de movimentos sociais já organizados (como o movimento operário, por exemplo), ou de projectos de poder bem desenhados por determinadas elites. Bem sei que ainda assistimos por essa Europa fora a concertadas tentativas de tomada do poder por parte de certas oligarquias – no nosso País verificáveis na análise de algumas movimentações intra-partidárias, facilmente detectáveis nos ditos partidos do arco governamental -,  e que os últimos 100 anos da história político-partidária mundial (ou pelo menos europeia) trataram de dotar muitos movimentos basistas de estruturas partidárias bem organizadas. Mas daí a entender-se que qualquer sistema partidário, a bem da sua estabilidade, não necessita de novos actores vai um grande passo. E o LIVRE, mesmo que contestando a certa obsessão terminológica de ser qualificado (e de se auto-qualificar) de ‘esquerda’ (uma vez que não só não concordo com tal mundivisão maniqueísta como prefiro o termo ‘progressista’), no meu entendimento, ao pretender estimular o debate político e empoderar cidadãs e cidadãos no seu relacionamento com as instituições democráticas - proporcionando-lhes um espaço transparente de participação organizada – nada mais pretende que desenvolver uma proposta alternativa e institucional que permita ultrapassar a actual inércia (e ineficácia) do nosso sistema partidário, bloqueado que se encontra pelo domínio excessivo das suas elites partidárias e pela falta de abertura real à sociedade civil, organizada ou não.

E desta forma, não só pelo seu contributo para uma maior capacitação generalizada da sociedade mas por se apresentar como um partido com clara matriz europeia e ambições de finalmente introduzir em Portugal um discurso ecologista politicamente independente, o LIVRE tem de ser entendido como uma lufada de ar fresco, necessária para ajudar a libertar algum do mofo e bafio que se sente no sistema partidário nacional, como uma expressão consciente e pro-activa que nos auxilia a recordar que a liberdade, depois de conquistada, tem de ser vivida. Sem donos ou tabus, por muito que isto custe a certas máquinas partidárias. 

 

(publicado a 26 Novembro 2013)

publicado por politicadevinil às 14:21
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds