Quarta-feira, 15 de Janeiro de 2014

‘Fallas’ democráticas

A recente reunião “das esquerdas” convocada por Mário Soares, e a sua inconsequência imediata, reforçaram a ideia de que não se tem conseguido transportar a vitalidade da contestação cívica consciente e informada para patamares institucionais organizados e consequentes. Verificámos ainda que, por mais reuniões “das esquerdas”, por mais protestos e manifs, por mais descontentamento social, a verdade é que o produto de tamanha contestação – em termos de propostas institucionalmente transformadoras – tem sido practicamente nulo. E, pior, a frequência elevada de tais reuniões, de tais manifs e protestos, sem propostas políticas consequentes, tem esvaziado a capacidade dos movimentos emanados da sociedade civil em se apresentarem como vanguardas sociais capacitadas para liderar a desejada transformação dos sistemas político-institucionais, vis-a-vis a edificação de uma democracia plena, activa e autêntica.

Desta forma, com algumas exepções (como a Academia Cidadã ou a Auditoria Cidadã à Dívida), tem-se perdido a oportunidade de se introduzirem novos vectores, novos canais de ligação entre os sectores pro-activos da sociedade e o sistema político-partidário, demonstrando que falha a transposição da energia cívica acumulada no descontentamento popular para o sistema político-institucional. E assim, invés de assistirmos à libertação das instituições do garrote da hegemonia partidária, verificamos antes que a natureza conservadora do sistema partidário impede que qualquer intromissão seja admitida no controlo– e acesso - das principais instituições formais do sistema político; o que demonstra uma evidente inaptidão em se entender as características das sociedades politicamente informadas do século XXI e desmonta qualquer leitura que identifique nos partidos a capacidade de introduzir no sistema os elementos necessários à instauração de novas fórmulas de participação democrática vinculativa.

O problema é que também a maioria dos movimentos sociais se desligaram desta contribuição, dominados que estão - intencionalmente ou não - por diversos processo de sabotagem estratégica. Refiro-me às ingerências partidárias em determinados movimentos, às “fogueiras de vaidades” que dominam tantas reuniões magnas e especialmente à incapacidade de se produzirem sínteses sobre o lugar dos movimentos sociais no imaginário público de intervenção cívico-política, essencial para a validação da intervenção cívica desligada do personalismo vedetista e da partidarite. Neste ponto, devem os movimentos sociais ou evoluir para dinâmicas de intervenção substantiva – como está a fazer a Academia Cidadã ou a Auditoria à Divida – ou entenderem o valor da sua intervenção como condicionada no tempo e no espaço e que, como “Fallas Valencianas”, se extinguem publicamente depois de esgotada a razão da intervenção política. Mas como infelizmente falta à democracia portuguesa o altruísmo individual e colectivo para entender o valor do contributo desprendido, não antevejo que se multipliquem ‘Fallas’ que libertem a energia cívica que se tem acumulado em Portugal, e a coloquem ao dispor da cidadania autêntica. 

 

(publicado a 4 de Junho 2013)

publicado por politicadevinil às 13:56
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds