Quarta-feira, 24 de Novembro de 2010

Bloco Central

Temos assistido, nos últimos tempos, a constantes declarações que procuram potenciar a existência de um bloco central em Portugal.

Por princípio, sou contra Blocos Centrais. Essencialmente por estes representarem - em certo sentido - o "fim da política", da alternativa democrática, do combate em torno de propostas alternativas. Dito isto, admito que nas circunstâncias actuais é imperativo que o sistema político português consiga construir formulas estáveis de governação. Tal pode significar a alteração do nosso sistema político (procurando soluções em modelos maioritários) ou a construção efectiva de uma cultura política de negociação extra-partidária.

 

Um dos actuais problemas é o facto de o PS estar no Governo. E de ser este o partido que mais dificuldades tem de se coligar eficazmente. O PSD tem no CDS um parceiro natural, mas os socialistas encontram-se impedidos de se aliar à esquerda, até porque PCP e o Bloco têm assumido um forte discurso anti-sistema e anti-poder. Assim, resta ao PS negociar com a sua direita, campo ideológico que não é o seu território mais natural, apesar da recente deriva liberal seguida pelos socialistas no plano económico e financeiro.

 

Acresce ainda que os actuais lideres partidários (Sócrates e Passos Coelho) não estão formatados para conseguirem construir entre si uma relação honesta e prospectiva, que consiga criar condições para um Bloco Central eficaz e efectivo. Resta então, se se insistir nesta solução, esperar que internamente as elites partidárias do PS e PSD compreendam que necessitam de alterar os seus lideres e elegerem quem possa construir uma sólida ponte bi-partidária. O problema é que o nosso sistema partidário não tem esta cultura política e as elites dos partidos se encontram demasiado domadas pelas respectivas cúpulas.

 

Em muitos outros países europeus, situações como a vivida em Portugal, já tinham originado cisões no sistema partidário, à criação de novos movimentos e/ou partidos políticos (como um partido liberal ou centrista) e a uma intervenção forte da sociedade civil (ainda pouco significativa). Mas a nossa democracia construiu um sistema partidário que facilmente se acomodou às benesses da gestão do poder (local e nacional), que se cristalizou, e que impediu que se desenvolvesse uma cultura crítica dentro das estruturas partidárias. Assim, os partidos limitam-se a obedecer às decisões da sua pequena elite dirigente, e a esperar que não lhe cortem os benefícios que usufruem.

 

Neste cenário, resta-nos ir navegando neste "estado das coisas", e esperar pelo advento de uma nova geração de dirigentes partidários, nomeadamente no PS. Isto porque é evidente que a direita já entendeu que no próximo Verão estará no Governo e que pouco mais fará que gerir a crise. Já os socialistas terão de saber retirar as devidas ilações dos últimos eventos (nomeadamente a sua política de coligações), com o risco de que se não o fizerem, se ausentem da governação do país por alguns anos.

publicado por politicadevinil às 14:20
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds