Quarta-feira, 29 de Setembro de 2010

Um país que se adia

No próximo dia 5 de Outubro comemora-se o centenário da implementação da I República, data em que em Portugal se instaurava um regime progressista, civilista e democrático; pelo menos nas intenções.

Era apenas o terceiro país europeu sem monarca na Chefia do Estado, secundado pela República Francesa e pela Confederação Helvética.

O regime republicano, implementado em Lisboa e comunicado telegraficamente ao resto do país, procurou rapidamente deixar uma clara marca de progresso, criando o Registo Civil, promulgando a Lei do Divórcio e da Separação entre o Estado e a Igreja (laicizando o Estado português) e lançando as bases da Escola Pública. Este ímpeto reformista, produto da acção política de figuras como Afonso Costa, Bernardino Machado ou António José de Almeida colocava Portugal claramente na linha da frente dos países juridicamente progressistas.

Infelizmente, o que foi o trabalho honesto e altruísta de parte de uma elite política não teve o enquadramento constitucional necessário que permitisse ao novo regime alargar o seu apoio social para além da burguesia lisboeta. De facto, a I República portuguesa nunca institucionalizou as premissas democráticas que tanto apregoara durante os últimos anos da Monarquia Constitucional; não conseguindo por isso romper com bloqueio conservador de uma sociedade portuguesa demasiado agarrada à saia do Clero e à subserviência da Casa Real ou aceder às reivindicações de classe do operariado urbano.

A leitura de que o país real não partilhava do progressismo da elite lisboeta impediu que constitucionalmente se consagrasse um sistema democrático e plural, com sufrágio universal ou muito alargado. A falta de cultura política por parte da classe partidária, que procurava dominar e não partilhar os corredores do Poder, encurralou os promotores da Revolução de Outubro entre o conservador país profundo e as radicais massas populares urbanas. E o sistema partidário nunca conseguiu colocar o interesse nacional acima dos interesses particulares; contribuindo assim para o clima de confronto, experimentalismo institucional e falta de estabilidade política que foram a tónica dos 16 anos da primeira experiência republicana em Portugal.

Hoje, ao assistirmos ao triste espectáculo que os principais actores da III República têm recentemente plasmado na praça pública, verificamos que pouco evoluímos, politicamente, neste último século. Continuamos a tudo particularizar, a menosprezar o interesse nacional em detrimento de vontades partidárias, em favorecer amigos e compinchas e, mais importante, continuamos a não ter conseguido desenvolver um caldo político cultural onde a Ética, a Meritocracia e a Boa Governança altruísta prevaleçam. O que leva a que 100 anos depois de uma revolução que queria retirar o país do subdesenvolvimento político e social, Portugal continue a ser um pais adiado.

publicado por politicadevinil às 13:38
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Pedro Veiga Grilo a 1 de Outubro de 2010 às 10:40
Muito bem observado. Junto as suas palavras às do António Barreto e teria esta classe política muito que pensar...não fossem uns mentecaptos acéfalos para quem esse exercício é monocromático e unidireccional e extremamente complicado para mentes simples mas retorcidas o suficiente para provocar danos quase irreparáveis à sociedade. Uma classe sem classe, que se gere pelo menor denominador, que habita um plano que se alimenta da auto desculpabilização já histórica, de governo para governo, que não assume responsabilidades e é incapaz de moralmente discernir entre o certo e o errado. Jogam um jogo sujo onde chafurdam na incompetência grosseira, que a todos salpica mas de onde saem sempre imaculados. A conta da lavandaria? Chegou no outro dia lá a casa.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds