Sexta-feira, 17 de Setembro de 2010

Coisas desta nossa Europa

Tinha a intenção, este fim de semana, de ir a Belgrado. Tudo já estava planeado, até que um pormenor falhou: não consegui alugar carro para me deslocar à Servia. Aparentemente, não se alugam carros que ultrapassem o espaço europeu, por medo do que os bárbaros que habitam fora da pacifica e civilizada União possam fazer à propriedade automobilística das grandes multinacionais do ramo.

Senti, pela primeira vez, o que é ser cidadão-europeu e ter direitos diferenciados dos meus outros compatriotas europeus. Senti-me mal, naturalmente. Com tantos exemplos de barbaridade no espaço interno da União, e com tantos outros de civilidade na 'barbárie', porque teremos nós, 'cidadãos-europeus' de sermos colocados em pedestais morais quando frequentemente damos o exemplo do inverso?

Parece que há medo do que os sérvios - esses bárbaros - possam fazer ao nosso carro; mas se quiser alugar a mesma viatura e a estacionar num dos subúrbios dessa civilizada frança sarkosiana, já pouco receio existe. Eu já tive a oportunidade de estar na Sérvia, e também em França, e deixem-me vos dizer que poucas diferenças - culturais - encontrei entre os países. Admito que inicialmente julgava que aos sérvios ainda lhes faltasse alguma cultura pós-moderna e sentido de modernidade (a vários níveis), mas depois de os ter conhecido melhor encontrei-os totalmente enquadrados na realidade política e cultural europeia. Neste sentido, só posso apreciar a desconfiança que merecem pelas leituras produzidas sobre o que se passou na época de Milosevic. Ora a Servia hoje é um país bem diferente. Em todos os aspectos. Soube se afastar desse passado recente e construir uma democracia estabilizada que faz o país progredir. E não só já passou quase uma década em relação à Guerra como grande parte dos seus responsáveis encontram-se detidos e julgados por tribunais internacionais. Neste sentido, é um país a seguir o exemplo; e basta pensar que Portugal, por exemplo, nunca sofreu das mesmas desconfianças por parte da comunidade internacional quando abandonou um regime autoritário de características fascistas que promoveu uma bárbara guerra colonial.

Entendo que nas Relações Internacionais a hipocrisia seja frequentemente utilizada para disfarçar interesses estratégicos dos grandes actores do sistema. O que não entendo é como esta nossa Europa ainda não conseguiu sair do preconceito que tem em relação a alguns dos seus vizinhos próximos, a começar pelo sérvios, esses nossos irmãos europeus.

publicado por politicadevinil às 17:08
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds