Quarta-feira, 18 de Agosto de 2010

Primárias.

A política do século XXI é muito exigente. Provavelmente, mais exigente do que em qualquer outro momento da história. Devido à democratização do ensino, às possibilidades de viajar e à globalização da informação; os cidadãos europeus estão hoje melhor educados, informados e sofisticados. Isso permite que o nível de consciencialização política seja elevado e que as expectativas seja altamente exigentes, em particular dos Partidos Políticos.

Os actores políticos têm noção deste fenómeno. Afinal foi devido à implementação de uma série de políticas públicas na área da educação, à criação de uma sociedade virada para o conhecimento e ao aumento da integração europeia, que foi possível capacitar a sociedade contemporânea com novas ferramentas de interpretação do Mundo e da Politica. Mas, curiosamente, e justo no momento em que se assiste a este pico de participação da sociedade civil – visível no aumento do activismo político, físico e digital -, os Partidos continuam de costas voltadas para a nova sociedade que ajudaram a criar, não apostando nem na inovação nem na criação de novos protagonista; preferindo antes isolar as suas estruturas aos processos de modernização contemporâneos e manter obscuras as formas de selecção e recrutamento de pessoal politico, ainda demasiado ligados às tricas e jogos de influências que dominam as dinâmicas da democracia interna dos partidos.

Talvez por isso temos assistido, nos últimos anos (e especialmente após a verificação que parte da justificação do fenómeno Obama derivava da energia que este havia recebido durante as eleições primárias de 2008), a várias tentativas de colmatar este afastamento, nomeadamente introduzindo sistemas de ‘primárias’ para a selecção dos seus candidatos. A esquerda italiana já recruta os seus candidatos dessa forma, no PSOE decorre um interessantíssimo processo de primárias para a escolha do seu candidato/a à presidência da Comunidade de Madrid, e também no seio do Partido Socialista Europeu decorre um debate para que se organizem eleições primárias para a selecção do seu candidato à presidência da Comissão Europeia em 2014.

Para quando a transposição deste debate para a realidade portuguesa? Afinal, vivemos num dos sistemas partidários mais fechados e imobilistas da Europa; dominados, à esquerda e à direita, por directórios centralistas receosos de toda e qualquer verdadeira abertura à sociedade civil. As fracas tentativas e modernização dos Partidos portugueses tem falhado por falta de genuinidade e de persistência; mas, apesar da resistência das máquinas partidárias, julgo ser inevitável que, mais cedo ou mais tarde, a promoção de formas mais inclusivas e transparentes de participação na vida partidária sejam a norma seguida pelos principais Partidos políticos portugueses, o que significará, sem dúvida, um significativo salto qualitativo na qualidade da democracia portuguesa.

 

publicado por politicadevinil às 13:02
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds