Terça-feira, 8 de Junho de 2010

A Europa é política

O Governo português anunciou mais um pacote de medidas para combater a crise económica e financeira.

A justificação para a implementação destas medidas, e a principal base da sua legitimação, tem passado frequentemente pela utilização de um discurso supra-nacional: a conjuntura financeira mundial justifica a crise, e as "ordens" de Bruxelas legitimam as soluções. Neste discurso, que indirectamente assume a existência de um Estado Europeu quasi-Federal, a "Europa" é-nos apresentada como neutra, apolítica e sem características ideológicas.

Se assim for, se este centro de decisão político for inócuo ideologicamente, significa que o patamar superior do nosso quadro de referência institucional dispensa interpretações de índole partidária. Nestas condições a tradicional divisão esquerda-direita deixaria de fazer sentido, bem como a existência de partidos políticos. Afinal, se toda a política é imparcial, assexuada, não há conflito nem divergência, somente a aceitação da clarividência da neutralidade.

Claro que na realidade a Europa não é nenhuma entidade sem cor nem cheiro; nem - muito menos - uma instituição sem política ou definição programática. Hoje os destinos da União são comandados de Bruxelas por um governo de direita. Reconhecê-lo significa identificar - claramente - que este pacote de soluções para a crise financeira tem uma marca ideológica assente numa agenda liberal.

Infelizmente, ainda não se interiorizou que não pudemos defender a existência de política partidária, e ideológica, somente ao nível infra-europeu. É imperativo promover um salto cultural que transporte as regras da vida política nacional - assentes no conflito democrático entre partidos políticos - para o patamar da União. Nestas condições, Durão Barroso teria total legitimidade de formar governo; cabendo aos socialistas a decisão de aceitar um bloco central ou remeter-se à oposição, assumindo em ambos os casos a sua posição política. Um Bloco Central vincularia os socialistas às medidas da Comissão; estar na oposição obrigaria combater politicamente o modelo liberal reinante na Europa e a retirar os comissários das cadeiras do poder; ou seja, a se actuar no ‘plateau' europeu como nos palcos nacionais, de forma directa, transparente e democrática.

Infelizmente para a qualidade da nossa democracia ainda se procura manter a ficção de que a construção Europeia deve assentar num permanente e obscuro Bloco Central, edificado numa dinâmica de consenso e não de conflito democrático. Enquanto este paradigma não for alterado, temo que se manterá o embuste dos discursos fáceis que remetem a legitimidade da necessidade da aplicação das medidas liberais consagradas no PEC para a clarividência neutral das instituições europeias.

josereissantos@gmail.com
____

José Reis Santos, Historiador

 

[artigo publicado no dia 25 de Maio 2010]

publicado por politicadevinil às 15:30
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds