Terça-feira, 9 de Outubro de 2012

Responsabilidades

Dizem-nos os livros de Ciência Política que regimes democráticos são aqueles em que a população qualificada elege líderes e representantes para que, com base num programa político exposto e debatido, governem em máxima consideração contratual com o interesse do Povo. Não o fazerem, ou deturparem as premissas desta primeira directiva, significa quebrarem o contrato com os seus governados e caminhar para a ilegalização social e para a ilegitimidade ética e moral.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro rasgou definitivamente o contrato que tinha estabelecido com os portugueses, confirmando que os alarmantes sinais de autismo político e social que tinha vindo a demonstrar são afinal genéticos e que governa apenas para gáudio de Bruxelas e Washington, escondendo-se nas saias dos mercados internacionais, do FMI e da Comissão Europeia. Para mais, as contas da opinião pública e publicada são claras: estas medidas pouco beneficiarão o Estado, colhendo delas dividendos apenas um punhado de PME e essencialmente as grandes empresas. O impacto no défice não será significativo, não se criará emprego, nem se estimulará o mercado interno. Apenas se confirmará o exturco de 40% da qualidade de vida a um povo já debilitado (em apenas um ano). Nunca um governo democraticamente eleito tinha mostrado tamanho desrespeito e desprezo pelo povo português e se aproximado tanto da tirania social.

É evidente que estamos perante uma conjuntura de emergência nacional a necessitar urgente ingerência da parte dos actores com capacidade de intervir no sistema político português: a Presidência da República, o próprio governo ou a oposição política e social. O Presidente vetando qualquer OE que vincule as medidas anunciadas (ou demitindo o Governo por quebra de legitimidade social); o CDS (ou alguns barões do PSD) quebrando a solidariedade governativa por inteirar-se da falta de sentido da liderança de São Bento; e os partidos da oposição organizando-se conjuntamente com a sociedade civil e pressionando o governo para que se demita ou revogue estas propostas.

Julgo ser o último cenário o único provável, pois não conto que Cavaco, o CDS ou o PSD intervenham. E como não creio que outro partido que não o PS possa liderar uma alternativa governamental, a responsabilidade da mudança encontra-se nos socialistas e na sociedade civil. Ora esta tem de continuar a organizar-se fora do espectro partidário e a manifestar-se livremente. Quanto ao PS, espero que entenda estar perante a oportunidade histórica de poder liderar uma ampla coligação progressista (uma Frente Republicana e Socialista, por exemplo), especialmente se abandonar a sua política de abstenção, se se envolver na oposição ao governo (indo para a rua, apoiando manifs) e se, com capacidade auto-crítica e humildade, convide outros parceiros para a construção de uma alternativa politicamente alargada e socialmente significativa.

publicado por politicadevinil às 13:09
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds