Quarta-feira, 7 de Julho de 2010

As respostas da familia progressista à crise económica e financeira internacional

Esta sexta e sábado vai ser organizado pela Fundação Res Publica um evento da maior importância. Refiro-me a uma conferência sobre as respostas da família progressista para a crise internacional; no que vai ser uma oportunidade ouro de ouvir, criticar e confrontar uma série de personalidades do mais alto gabarito – teórico e politico – de onde destaco o James K. Galbraith (Lyndon B. Johnson School of Public Affairs), a  Pervenche Beres (Comissão de Emprego do Parlamento Europeu), o  Göran Persson (ex Primeiro-Ministro da Suécia), a  Stephany Griffith Jones (Columbia University), o Poul Nyrup Rasmussen (Partido Socialista Europeu)  e o Andreas Schieder (Secretário de Estado das Finanças da Áustria); além de algumas  figuras da nossa praça (António Vitorino, Maria João Rodrigues, José Sócrates, etc).

Por entender que raramente é-nos permitido entrar em contacto com eventos desta significância  teórica e crítica, e por defender que são necessárias outras soluções para a crise que apenas aquelas defendidas pelos  conservadores e liberais que hoje dominam o panorama politico europeu, desafio os leitores a aproveitarem a excelente oportunidade de conhecer que outras propostas existem para resolver a crise económica e financeira internacional.

Decerto que não verão o vosso tempo por perdido...

publicado por politicadevinil às 13:28
link do post | comentar | favorito
|

FTT

Na última semana a cidade de Toronto recebeu mais uma reunião magna das grandes potências económicas mundiais (G-20), numa cimeira onde as grandes conclusões foram a necessidade de aplicação ao nível global de planos de austeridade consagrando medidas anti-défice e de contenção orçamental.

Não surpreendem estas decisões, uma vez que continuam a ser retiradas da cartilha neo-liberal e conservadora que domina a maioria dos governos europeus, comprovando, aliás, que a política da união é fortemente marcada ideologicamente. De fora da agenda ficaram algumas das propostas que têm sido frequentemente apresentadas pela família progressista europeia (liderada pelos socialistas), como a que pretende introduzir uma Taxa Financeira Internacional (Finantial Transation Tax, ou simplesmente FTT).

Esta singela proposta não pretende mais do que introduzir uma taxa de 0,05% em cada transacção que envolva produtos financeiros negociados nos mercados internacionais; taxa paga - naturalmente - pelas entidades envolvidas e não pelo cidadão comum. A necessidade de implementação de tal medida ganha importância perante a estratégia conservadora e liberal de concentrar as soluções para a crise apenas na aplicação de planos de austeridade que inevitavelmente colocam o ónus da recuperação da crise no cidadão anónimo.

Subjacente está um principio básico de justiça social, que pretende que o sistema financeiro internacional - um dos grandes responsáveis pela crise actual - contribua também para a sua solvência, especialmente numa altura em que, depois de diversos ‘bailouts' pagos com o dinheiro dos contribuintes, regressam os lucros e os bónus chorudos para a banca e para a Alta Finança. Atente-se que a aplicação desta taxa pode significar a angariação de mais de 200 mil milhões de euros por ano, só no espaço europeu (mais que o actual orçamento da União); dinheiro que pode muito bem ser canalizado para programas de estímulo à economia, para a criação de postos de trabalho ou para a solvência do estado social.

Como referimos, no panorama internacional tem sido o Partido Socialista Europeu (PES) que tem estado na vanguarda da defesa destas soluções, mais justas e equitativas; mas, infelizmente, o Governo da União - que tem outras características ideológicas -, tem criado a ideia de que apenas existe a sua solução para a crise - o que não é de todo verdade.

Neste sentido, urge dar a conhecer, ao público em geral e à elite informada, outras soluções para a crise, nomeadamente as defendidas pela família socialista progressista. E nem de propósito, realizar-se-á em Lisboa, nos próximos dias 9 e 10 de Julho uma conferência internacional dedicada exactamente a este tema, patrocinada pela Fundação Res Publica, e que contará com a presença, entre outros, de Paul Rasmussen (Presidente do PES) e de James K. Galbraith. Será uma oportunidade de ouro para tomarmos contacto com as propostas alternativas, progressistas, para a saída da crise e para tomarmos contacto com o pensamento político contemporâneo que vai muito além de uma visão redutora em torno do ‘deficit'...

publicado por politicadevinil às 13:27
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds