Segunda-feira, 23 de Julho de 2012

Padrinhos e puros

Os recentes episódios em torno do ministro dos Assuntos Parlamentares vieram expor o estado de decadência ética e moral em que caiu o nosso sistema político-partidário.

Imagino como se devem sentir os nossos constituintes de 75-76, os que com ardor e sacrifício procuraram por entre o turbilhão do PREC edificar em Portugal um regime democrático, politicamente plural e - acrescento eu - capaz de produzir elites qualificadas e eticamente sólidas, capacitadas para a gestão do bem público e preparadas para o escrutínio democrático, do quarto Estado e da sociedade civil bem informada, respeitando o primado da liberdade de expressão e da não intervenção na independência dos órgãos de comunicação social. Como devem analisar o actual processo de acesso à elite política, esses nossos constituintes. Eles que foram exilados políticos, perseguidos por um regime autoritário-fascista, fugidos de uma guerra colonial sem sentido. Que se licenciaram no exílio forçado, que se qualificaram politicamente na clandestinidade e se especializaram na defesa de valores políticos assentes em pressupostos ideológicos sólidos. Sem direito a equivalências baratas ou licenciaturas de fim-de-semana.

Os "casos Relvas" pouco tem a ver com o percurso mitificado dos nosso fundadores. Simbolizam antes a geração de "chicos espertos" que, já durante o século XXI, chegou ao poder. Provêm maioritariamente das jotas, chegam a deputados de quarta fila durante a década de 80, com 20 e poucos anos, e rapidamente descartam quaisquer qualificações académicas em detrimento de uma actividade política rapidamente recompensadora. São recrutados com o secundário completo, sem que o sistema os obrigue à conclusão de um grau académico, rapidamente se tornando protegidos e/ou afilhados, categoria que geralmente acumulam com a de cacique empenhado e que lhes possibilita a obtenção de lugar de destaque nas hierarquia da jota e/ou do aparelho partidário. Depois, quando fora do Parlamento, e da intervenção nos "Passos Perdidos", são encaixados em empresas amigas, escritório de advogados amigos ou no sector Estado amigo. Até regressarem a São Bento e, imaginem, ao Governo de Portugal. Tudo dentro da normalidade construída e cimentada nos últimos 30 anos da democracia portuguesa pelos partidos do arco governamental (porque nestes casos não há ideologia que aguente). Assim não estranha a inconsequência e impunidade política. Ou, o arranjinho para a empresa do amigo, a licenciatura aos 40 anos ou a mania do controlo da comunicação. Afinal, Relvas mais não faz que reproduzir um padrão de comportamento tantas vezes utilizado e reutilizado por uma geração de chicos-espertos que, aproveitando a sedimentação do nosso sistema político, e a entrada de Portugal na CEE, se especializaram na permanência permanente (redundância deliberada) na órbita do sistema, assim fazendo uma vida.

E enquanto esta caravana passa, certamente que muitos dos de 75 levam as mãos à cabeça questionando-se: "como foi isto possível" (os puros); enquanto outros lavam as mãos e batem na cabeça dizendo: "como pude eu fazer isto possível" (os padrinhos).

publicado por politicadevinil às 12:59
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds