Sábado, 26 de Maio de 2012

Capas Negras

Por fortuna e méritos futebolísticos, este domingo subiu ao relvado do Jamor a equipa da Académica. Após ter ganho a primeira edição da Taça de Portugal (em 1939, 4-3 ao Benfica), a última presença da Briosa no mais fascista Estádio de Salazar fora há 43 anos, em 1969.

Na altura, como anteontem, a cidade estudantil deslocou-se à Capital fardada a rigor, cobrindo de trajes negros as paisagens de Lisboa. Na altura, como anteontem os estudantes trouxeram consigo as preocupações de uma geração, estampadas em tarjas pintadas a branco e negro. Na altura, como anteontem, preocupavam-se com o seu futuro, e com o futuro do seu país. Insurgiam-se contra uma ditadura datada, contra a guerra colonial e contra a falta de futuro. Recorriam à emigração (essencialmente clandestina) para fugirem de um país que já não era o seu.

Anteontem os jovens de Coimbra insurgiram-se contra o estado do ensino e das universidades, contra a falta de emprego e de oportunidades, contra a falta de futuro. Contra a necessidade de emigrar e de ter de procurar no estrangeiro as oportunidades que dignifiquem as qualificações entretanto adquirida. Fogem da carestia e da pobreza que os espera em Portugal. Fogem de um país que os convida a sair.

E é grave, muito grave, que 43 anos depois, o Governo de Portugal - agora democraticamente eleito - continue a provocar tais reacções na sua juventude. Um Governo que reconhece ser esta a mais bem qualificada geração de portugueses, mas que lhe proporciona como opções de vida a saída do país, o trabalhado precário ou as estatísticas do desemprego; a cínica tríade hoje tatuada em milhares de portugueses: desemprego, emigração, precariedade.

Como pode um governante não só abdicar da sua "geração mais qualificada", dela desistir, como a exportar por tuta e meia? Que pensar de quem sugere que a miséria do desemprego, e o risco de pobreza a ele associado, não é um problema social mas antes uma oportunidade individual? Não entende o primeiro-ministro que a inevitável eternização de um quadro de recessão económica não irá permitir a persecução de algum tipo de oportunidade? Não entende que é urgente mudar o rumo das políticas públicas e apostar em modelos de crescimento que não dependam exclusivamente da redução do défice e do Estado Social?

Saberia de tudo isto o nosso primeiro-ministro se se interessasse mais em governar para os portugueses e menos para os mercados. Se olhasse com mais atenção para a geração que anteontem vibrou no Jamor, recordando heróis de outrora. Os que em 1969 ondulavam nas bancadas do Jamor as Capas Negras de uma geração abandonada, jogo que a Briosa perdeu (2-1, frente ao Benfica), obrigando Coimbra a regressar ao seu fado. Mas este Domingo a "Cabra" soou os badalos de uma nova geração coimbrã, esperando que a Taça ganha não enjeite os de agora como os de 69, mas antes lhes dê esperanças no futuro.
____

José Reis Santos, Historiador

publicado por politicadevinil às 12:28
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Luís Matos a 28 de Maio de 2012 às 14:56
A realidade é esta: as gerações ditas vítimas da "longa noite fascista" estavam muito melhor preparadas e eram muito mais resilientes que estas novas gerações cheias de direitos e facilidades adquiridas mas que nem disfarçam a frustração à mínima contrariedade como seja atrasarem-se na entrada do Rock'n'Rio.
Infelizmente no Jamor passaram-se actos de uma falta de civismo crónico do povo português, a quem umas febras e uns copos de tinto parecem fazer esquecer que viver em sociedade significa respeitar os outros. Quanto à geração mais qualificada de sempre, é de facto uma estatística porque muitos, talvez a maioria, não resistem a uma prova real no mundo do trabalho, sobretudo porque têm uma mentalidade muito conservadora e até em certos casos bafienta.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds