Quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Parir Abril

Prestes a completar 38 anos de idade, o 25 de Abril, depois de uma infância feliz e uma adolescência intensa, depois de terminar um curso numa universidade pública e de ter entrado no mercado de trabalho...

Prestes a completar 38 anos de idade, o 25 de Abril, depois de uma infância feliz e uma adolescência intensa, depois de terminar um curso numa universidade pública e de ter entrado no mercado de trabalho - primeiro como estagiário, depois com contracto a prazo -, depois de se ter apaixonado, casado e parido, depois de se ter emancipado e comprado casa, depois de se ter endividado e ter acreditado que teria melhor qualidade de vida que os seus pais, hoje está desempregado e divorciado, tem custódia conjunta da criança, dívidas à Segurança Social, mestrado acabado e doutoramento incompleto, pensa sair do País onde sempre viveu e arriscar fortuna em Luanda, Madrid ou Rio de Janeiro.

Mas enquanto pensa e repensa no que fazer à vida, agora interrompida, regressou envergonhado à cama de solteiro que mantém em casa dos pais, onde prepara os CV, navega na net e ajuda nas tarefas domésticas. Amanhã vai sair à rua e descer a Liberdade. Não sabe se será alvo da "tolerância zero" prometida pela nova PIDE, e se regressará a casa - a casa dos seus país - com novas feridas para sarar. Mas não se importa. Importa-lhe estar com as novas e velhas gerações, indignar-se com o estado de precariedade geral do seu País, exigir mais a quem o governa e representa, e partilhar o feriado de amanhã - enquanto houver feriado amanhã.

Quer chegar ao Marquês via Parque Eduardo VII, deparar-se com a esperada massa humana com a vista privilegiada do topo da colina do monarca inglês, resguardado pela bandeira da Pátria e pelo fálico símbolo da revolução. Aquele que nos remete para todos os símbolos másculos da nossa revolução e que simboliza - como conceito - a pujança e vigor de um povo unido em busca do seu futuro.

Depois quer descer a Avenida, baptizada de Liberdade, mergulhar incógnito na multidão anónima e diluir-se na tranquilidade expressiva de quem se congrega em torno da partilha de uma memória emancipadora. Esquecer-se do fado triste diariamente tatuado no seu pardo quotidiano, da melancólica sina que hoje partilha com quem consigo marcha, esquecer-se da falta de futuro que consome a sua geração, das ‘troikas' domésticas e importadas, do País permanentemente incumprido e adiado. E recordar-se de todos sonhos que Abril lhe possibilitou quando foi fecundado por um povo revoltado e motivado, ansioso de esperança e de operar a transformação de uma nação submissa e submersa por 48 anos de ditadura estéril numa sociedade tolerante, equitativa e progressista.

Mas talvez uma fertilização insuficientemente feminina tenha adiado a conclusão de uma gravidez que há quase quatro décadas matura na sociedade portuguesa, que acumula transformações que injectam a percepção de mudança e progresso mas mantém o privilégio oligárquico construído na transição e na estabilização democrática. Não é esse o Abril que queremos parir. Talvez melhor esperar, arriscar a fortuna em Luanda, Madrid ou Rio de Janeiro, mas também Lisboa, Porto ou Bragança. Não desistir. Descer a Avenida a cada ano, antes que se pense em transitar o feriado para Novembro... 

publicado por politicadevinil às 13:31
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Luís Alegria a 3 de Maio de 2012 às 17:08
E o mais importante é : fascismo nunca mais! Que país de paranóicos e enviezados com um abril tão igual à lei do aborto como
a demagogia se confunde com a pseudo verdade.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds