Quarta-feira, 26 de Outubro de 2011

A reforma da República

Já tenho escrito nestas páginas sobre a necessidade de substituir a actual Comissão Europeia por uma alternativa alargada de esquerda que procure outras soluções para o actual quadro de crise. Esta alternativa, política, terá de considerar as reivindicações da presente geração de protestos, enquadrá-las num programa político consistente e construir uma candidatura válida a 2014.

No entanto, tem faltado no espaço europeu um discurso aglutinador e organizado, o que, e de forma indirecta, tem contribuído para a legitimação da narrativa nacionalista que hoje domina culturalmente a Europa. Tal acontece porque partidos e movimentos sociais ainda se encontram condicionados por factores endógenos - intra-nacionais – relacionados com o impacto da crise e com as faltas de soluções políticas em determinado país, sendo por isso mais cómodo organizarem-se em torno de narrativas nacionais.

Ora, na realidade os factores condicionantes que impulsionam o descontentamento social não podem serem apenas considerados locais. São-no pelo menos, de alcance europeu. Ou seja, os motivos que levam para a rua milhares e milhares de portugueses são, com poucas distinções culturais, partilhados com gregos, irlandeses, italianos, franceses ou ingleses.

A falta de uma opinião pública europeia consolidada, a ausência política dos partidos políticos europeus e a natureza orgânica de muitos movimentos sociais (por vezes mais ficção que realidade) ajudam a explicar a falta de uma resposta integrada e a construção de um discurso coerente e partilhado que se apresente alternativo e validado socialmente. E neste sentido urge – em minha opinião – solidificar as relações entre estas três dimensões, para que a necessária mudança intra-sistémica possa ocorrer dentro de um quadro reformista legitimado.

Por diversas razões não temos sabido construir uma opinião pública europeia. Não existem jornais ou canais de televisão europeus e o que mais se assemelha a um espaço de partilha cívica europeia são as redes de contactos pessoais concentradas nas redes sociais (nomeadamente no Facebook), o que é manifestamente insuficiente para a edificação de uma consciência colectiva partilhada. Por outro lado, a tradição orgânica de muitos movimentos sociais, que por razões quase ideológicas se recusam a aceitar a normalidade institucional, também tem impossibilitado a construção de ligações mais eficazes e prospectivas. E assim, curiosamente, resta aos partidos políticos europeus, consagrados institucionalmente, saberem actuar no quadro da União e responderem às novas exigências, nomeadamente aos de esquerda. 

Ora o paradoxo é que  hoje em dia as estruturas partidárias fazem mais parte do problema do que da solução, e motivam – muitas vezes com razão – a desconfiança da sociedade civil engajada. Saber como resolver este busílis é a peça fundamental para procurar a reforma da República europeia. E a responsabilidade de tal, repito, encontra-se na esquerda europeia. Não o fazer pode significar o fim do projecto europeu e o retorno definitivo a uma Europa nacionalista, fechada e passadista. Um regresso ao século XIX em pleno século XXI.

 

publicado por politicadevinil às 14:27
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds