Quarta-feira, 20 de Julho de 2011

O novo PS

Após a clamorosa derrota eleitoral de 5 de Junho o Partido Socialista apresta-se a escolher o sucessor de José Sócrates.

E, como em todas as eleições internas após ciclos de poder, esta será uma oportunidade para os socialistas reflectirem sobre as propostas políticas, apreciarem criticamente a sua postura governamental (e processos de recrutamento político) e repensarem o seu posicionamento perante a sociedade portuguesa e as novas dinâmicas políticas contemporâneas, hoje bem mais complexas que em 2005 - ou 1995, ano da nomeação de António Guterres para PM.

Neste sentido, e contrariamente ao ocorrido na transição de Guterres para Sócrates (retiro da análise os anos de Ferro Rodrigues), julgo premente que o Partido Socialista dedique tempo a edificar e consolidar uma nova elite partidária e a participar, activamente, na construção de novos processos ideológico-programáticos de alcance europeu. Dimensões nunca trabalhadas no consulado de José Sócrates, antes pelo contrário.

Apreciando a liderança de José Sócrates, rapidamente concluímos que o ex-secretário-geral do PS se limitou a gerir muito do legado de António Guterres: a maioria da sua elite partidária transitou do Guterrismo, onde se governamentalizara (foram apenas promovidos alguns novos actores, a maioria de má qualidade); e do ponto de vista programático manteve-se a linha da "terceira via", também apropriada pelo Guterrismo, acrescentando-se-lhe uma nova dinâmica progressista nas áreas sociais, distanciando-se do conservadorismo católico de Guterres.

Mais significativo foi o afastamento do PS do debate e discurso europeu promovido pela família socialista europeia. Tal foi evidente no apoio a Durão Barroso nas eleições de 2009 e na falta de presença significativa no seio do Partido Socialista Europeu: perdendo-se uma excelente oportunidade de, juntamente com o PSOE, introduzir o conceito de "Socialismo progressista Ibérico". A natural evolução desta linha foi a construção de um discurso nacionalista bacoco e retrógrado (consagrado no último ‘slogan' eleitoral), afastado da melhor tradição socialista europeia e das actuais características políticas contemporâneas.

Este legado significa, pois, que, apesar de nos ter deixado claras marcas de governação progressista, faltou a José Sócrates uma visão progressista do PS. Foi demasiado século XX, quando já deveria ter sido século XXI.

Sob esta análise, o novo PS, necessita de entender que o ciclo Guterres-Sócrates acabou. Tem de acabar. É necessário apostar numa nova elite partidária e inserir-se activa e prospectivamente nos grandes debates programático-ideológicos actuais, repito. E voltar à rua e junto das pessoas.

A julgar pelo discurso de ambos os candidatos, estas dimensões estão a ser consideradas. Mas para que tal seja efectivo será necessário tempo. E não ter pressa para regressar ao poder.

publicado por politicadevinil às 15:28
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds