Sexta-feira, 16 de Abril de 2010

A Nova Europa

[publicado no DE a 13 de Abril 2010] 

 

 

Passos Coelho foi finalmente entronizado como líder do PSD, num congresso (o XXXIII) pouco interessante e sem novidade.

Em mais uma reunião magna dos laranjinhas (recuso chamar de sociais-democratas os militantes do PSD) talvez as impressões mais salientes tenham sido o aparente abandono da traça conservadora tecida pela ex-líder Manuel Ferreira Leite - agora substituídos pela dinâmica populista e liberal do novo (aqui num duplo sentido) líder -, e a misoginia institucional patenteada pela sua elite, que apenas conseguiu destacar um punhado de mulheres para as dezenas de cargos a assumir nos seus diferentes órgãos políticos.

Esta viragem do PSD para o campo do populismo liberal chega tarde a Portugal (ou melhor, regressa tarde, pois fora já detectada durante o consulado Barroso) e coloca o partido do Presidente da Comissão Europeia finalmente alinhado com a tendência liberal populista europeia. Este fenómeno, muito sentido nos países do Leste e do Centro da Europa - mas também com manifestações na Europa ocidental - é marcado pelo domínio político e cultural de uma corrente de opinião que procura construir um cabaz de políticas públicas à volta da ideia de que o Estado é um mau gestor e um pior patrão.

Desta premissa deriva a constatação que "menos Estado, melhor Estado". A solução é, então, deixar que seja o mercado a gerir a sociedade, com uma ou outra reserva social. Esta hegemonia cultural foi conquistada já nos anos do novo milénio, através de intensa formação política (apoiada em diversos ‘think tanks' politicamente bem apoiados e subsidiados), com o recurso às novas tecnologias e promovendo novos protagonistas, que rapidamente atingiram posições de destaque nos meios de comunicação contemporâneos, nos jornais e na blogosfera; e Passos Coelho, ao usar como referencial esta dinâmica, demonstra não só o bom entendimento da mesma como ameaça projectar o seu potenciamento.

Naturalmente que parte da responsabilidade deste estado da arte é também das esquerdas - nomeadamente as governamentais - de alguns destes países, que ao aplicarem muitas vezes medidas públicas de direita, não tem sabido responder eficazmente às exigências políticas de quem neles deposita o voto e de quem espera uma política diferente daquela que a direita possa fazer. Por isso, julgo que é necessário - e com alguma urgência - alargar o debate sobre a nova esquerda, promover novos protagonista e programas, num movimento que envolva genuinamente partidos, sociedade civil e academia; pois estou certo que, se a esquerda nada fizer, a tendência da hegemonia cultural e política de direita na política europeia é para se manter.

publicado por politicadevinil às 12:26
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Damnatio memoriae

. Liberais traídos

. Um acto de primeiríssima ...

. Circuito fechado

. Eunucos sem pio

. Olá ò vida malvada

. Madiba e as vacas sagrada...

. Ser LIVRE

. O senhor que se segue

. A importância de um candi...

.arquivos

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds